Urs Bühler

Urs Toni Bühler


Urs Toni Bühler  – Tenor

Pessoal:

Nasceu em Willisau, Cantão de Lucerna na Suíça no dia 19 de julho de 1971

É do signo de câncer, tem os olhos verdes acinzentados, 1,78 de altura.

Gosta de ouvir hard rock e heavy metal. Fala alemão, francês, alemão da suíça, holandes e inglês. Gosta de fazer musculação.

Suas paixões são as motocicletas, tem uma Harly Davidson, faz coleção de guitarras e adora andar a cavalo.

Tem um irmão e três irmãs. Atualmente tem um relacionamento com Tania Rodney e uma filha chamada Bilie Angel Bühler, nascida em 28 de dezembro de 2008.

Carreira

-Sua formação musical começou desde seus cinco anos, quando Bühler começou a cantar em um coral e também aprendeu a tocar violino, clarinete, piano, guitarra e bateria.

-Sua carreira musical, porém, começou quando ele tinha quinze anos em um gênero totalmente diferente do canto lírico, sendo membro de uma banda cover e mais tarde, aos seus 17 anos, vocalista de uma banda de heavy metal chamada “Conspiração”, em Lucerna. Ao mesmo tempo, ele já estava recebendo aulas de música na Academia de Música da Escola e Igreja.

-Seu progresso no campo o levou a mover-se para Amsterdã, na Holanda onde estudou sua voz no “Conservatório Sweelink” com Udo Reinemann, um conhecido barítono alemão. Sob a aulas particulares de tenor sueco Gösta Winbergh, membro da Royal Opera de Estocolmo, e o tenor francês Christian Papis, Urs enriqueceu o seu repertório clássico.

-Ele cantava no coro da ópera holandesa e até mesmo realizou uma temporada no Festival de Salzburgo, sob a direção de Claudio Abbado.

-Urs gastou os últimos sete anos nos Países baixos, antes de seu compromisso com o il Divo, cantando em oratórios e permormances com a Opera Holandesa Gezelschap (GE).

Citação de Urs no Livro Biográfico:

Il Divo: Our Music, Our Journey, Our Words

“Eu amo cantar sobre um palco. A emoção da canção me arrepeia de baixo acima a espinha. Sinto a música, sou apaixonado por isso. Naquele instante é tudo o que preciso. Há algumas canções, como ‘Caruso’, que quando estou lá só penso, ‘Oh, Deus, isto é tão maravilhoso’. Eu não me preocuparia
se a platéia estivesse vazia. Eu costumava dizer isto a Carlos, Sébastien e
David nos primeiros dias de Il Divo, mas não penso que eles realmente acreditaram em mim. Em todo o caso é verdade que não preciso da coisa toda da fama; é o processo de fazer a música que satisfaz uma necessidade profunda em mim. Torno-me parte dele. Não sou capaz de dormir até a duas ou três a manhã depois de uma apresentação, tal é o pico de adrenalina.
Quando vivi em Amsterdã, cantando óperas, eu ia para casa em seguida e escutava tudo novamente até as primeiras horas da manhã. Os meus amigos e os colegas costumavam pensar que eu era completamente louco. Mas isto é o que a música me faz.”

Fontes: Il Divobr, wikipédia, Fórum Oficial