Primeiro show na Irlanda, by Vir

Eu e a Kiara aproveitamos muito essa viagem, além de irmos nos shows, passeamos pra caramba (o quanto nossos dias lá permitiram), conhecemos lugares lindos e impressionantes…

Mais sobre a viagem toda, vocês podem ver no meu blog Estante de Idéias.

Então, no dia do 1o show, foi uma correria só, porque tivemos uns problemas em Dublin. Conclusão, chegamos no local do show faltando pouco mais de 10 minutos pro horário marcado.

O tal Killruderry nada mais é do que uma fazenda, com um castelo no meio (bem básico assim mesmo!). Os taxis não podiam entrar, então fomos deixadas na entrada e andamos, andamos, andamos, de bota de salto, na grama, na lama… hahahaha… é sério gente, a infra até chegar onde o palco estava montado era bem precária… e era uma caminhada boa. Nesse dia, achamos que não iamos chegar nunca, ou que iamos ouvir de longe a entrada dos meninos no palco…

Mas deu tudo certo, chegamos na entrada.

Veio uma moça revistar nossas bolsas, porque não podia entrar com líquidos. Ai ela mexe na minha sacola… what’s this?… e eu… books!!! (eram os QUATRO livros da Jan) hahaha Ela me olhou com a maior cara de estranha e deixou eu passar!

Chegamos, nos sentamos, nossos lugares eram C23 e C28, conclusão 4 cadeiras de distância mais o corredor central! Trash ficar no meio estranhos….

A inglesa sentada do meu lado esquerdo não queria que a minha roupa encostasse na dela, tentou até separar as cadeiras, que estavam presas lateralmente com unha de gato. Obviamente não conseguiu, ai passou o show todo segurando o sobre-tudo dela, pra ele não encostar no meu. Bom, problema dela, né?! hahahaha

Do meu lado direito estava a She (como é conhecida no FO), uma indiana simpática, conversamos um pouco, mas não é a mesma coisa de alguém conhecido, alguém que fala sua língua. Imagina eu falando em inglês com a indiana, nenhuma das 2 entendia nada do que a outra tava falando!

Bom, era um frio, gente… absurdo… o palco foi montado na frente do tal castelo, num gramado enorme, cercado de árvores gigantes… então, vocês imaginam… era um vento gelado, cortante!!! Misturado a emoção de estar ali, prestes a ver os meninos novamente, eu tremia que nem uma vara verde…

Nesse dia, nós só encontramos a Vanessa e as meninas, depois do show!

Bom, eu e a Kiara combinamos que ela entregaria os livros para Urs e Seb, e eu para o Carlos e David…

Começou o show das meninas do Escala… lindo, elas tocam maravilhosamente bem (inclusive nesse momento tô ouvido elas)… e a tremedeira só aumentava! Tirei as únicas  4 fotos com a máquina fotográfica.

Finalmente, o show delas acabou, e cerca de 10 minutos depois a Irish Orquestra começou os acordes de Without You… já comecei a me descabelar pensando que se a orquestra estava tocando essa música que eles não iriam cantá-la. Em seguida, Somewhere, e os meninos entraram no palco!!!!!!!!!!!! uhhhhhhhhhhhhh………….. Que lindos, como eu havia sonhado durante esses quasse 2 anos (desde out/2009), de vê-los novamente.

Sebastian com aquela cara de garoto abandonado, david com aquele sorriso gigante (maior do que ele mesmo), Carlos com toda aquela pompa e sua sombrancelha levantada e o Urs com toda a sua calma…

De cara, a voz do Carlos invadiu o lugar, e se espalhou por todo aquele espaço aberto…

A hora que o David começou a cantar, a platéia gritou mais do que para os outros (não sei porque), mas foi legal que o carlos e o Seb se olharam e começaram a rir… lindos!

Conforme eles desciam aquela escada, meu coração foi apertando e a emoção aumentando… veio Regressa Mi, com o cumprimento do Seb, sempre fofo e simpático… e um bolo se formando na minha garganta…

Então La Promessa… ai não aguentei… desabei!!!!!!!!!!!!

Comecei a chorar compulsivamente, de soluçar… a tal inglesa me olhava com cara de “o que essa louca tá fazendo, como pode estar chorando aqui?”… eu só pensei “foda-se” e continuei na minha! Eu queria estar do lado da Kiara para poder chorar com ela… hahahaha

Ai foi uma sequência de choro, cada música que começava eu chorava mais…

Bridge over Trouble water, Mama com o prefácio do Carlos falando que é o único solteiro do grupo, que ele queria mudar isso, se alguma mulher ali queria formar uma família com ele, perguntou quantas mulheres ali eram solteiras… etc… ahhh, quiz dar o “phone number” 400 vezes!!! hehehehe

Depois de Mama, Night in white satin e para minha alegria Without You, quando chorei só mais um pouquinho, depois do Urs perguntar se a platéia estava congelando e se era mesmo verão!!! 😉

PQTE foi agitada, David chamou logo de cara todo mundo para levantar e dançar com ele… que delícia foi poder se soltar nessa música, coisa que não pudemos fazer aqui em sampa.

Ai baixou a bola de novo… halleluia… depois Adagio… se é que era possível, chorei mais ainda em Adagio. A inglesa até se convaleceu e me ofereceu um lenço… que fofa, ela!

Então, lá vem Carlito para aquela apresentação básica de LVSA… coração batendo forte… “bora” dançar salsa pra ele.. hehehe

Nessa hora o pessoal começou a ir colocar presentes no palco. Eu fiquei com medo de que não fosse conseguir chegar la depois (porque a segurança tava bem rigorosa nesse dia), então, colocamos os 4 livros lá, com dor no coração de não entregar em mãos.

Caruso, não curto muito, então resolvi pegar o celular para tirar uma foto e poder mandar assim que chegasse no hotel…

Power of Love, o choro começou a aumentar de novo, porque sabia que estava acabando… então My Way, como diz a Sandrurs, música marcada por ser sempre despedida… chorei, chorei e cantei gritando, abraçada na indiana!!! hahahaha

Acabou My Way, eles sairam do palco, e a mulherada invadiu… eu consegui ficar bem encostada no palco, pra minha sorte minha altura ainda permitia ver as coisas, porque fiquei bem na frente de uma caixa de som.

Durante o intervalinho, só escuto a Vanessa falando… ai Vir, só porque você é alta, tá ai na frente! E a louca aqui (já puta com a tal inglesa) e com umas outras européias idiotas que só estavam atrapalhando… virei pra trás e soltei “fuck everybody”… então, não era para ser em inglês, né?! Burra… todo mundo me olhou com aquela cara de cú, e sorte que os meninos votaram para o palco, senão acho que eu ia ser linxada… hahaha

Então veio aquele momento feliz e triste… feliz porque a gente podia ver eles de pertinho e pegar na mão deles… mas triste porque tanto tempo esperando e um show já ia acabar…

Peguei na mão do Carlos e do David… chorei (mais um pouco) encostada na caixa de som, que vibrava com aquelas vozes maravilhosas!

Na hora do agradecimento deles, o David estava bem na minha frente… ai gritei… thank you, Dave! Ele me olhou e sorriu pra mim… quase morri…

Chegou o momento terrível da última estrofe de Impossible Dream, eles já lá em cima da escada… então a música acabou, e eles foram embora! 🙁

Então, fizemos uma junta “médica” e decidimos pegar pelo menos o livro do Urs e do Seb de volta, para tentar entregar em mãos no dia seguinte.

Eu e a Kiara fomos pro nosso hotel… difícil foi dormir! A gente estava em estado de graça…

Quem esteve no show de Sampa sabe bem o que é isso… aquela sensação de alegria, euforia, incredulidade!!! 😉

O que nos segurava era saber que no dia seguinte tinha mais… e que mais, gente… mas isso é um próximo capítulo! hehehe

bjos, Vir