David Miller

David Miller


David Miller  – Tenor

Pessoal

Nasceu dia 4 de abril de 1973, em San Diego, mas cresceu em Littleton, Colorado. Tem formação pela Heritage High School, datada de 1991.

É do signo de áries, tem os azuis acinzentados, 1,93 de altura. Gosta de ouvir techno, drum ‘n’ bass and happy hardcore, Eminem, Bijork, The Prodigy.
Fala inglês e um pouco de japonês. Toca piano e bateria e se arrisca em tocar outros instrumentos como trombone.

Suas paixões são as filmagens. Adora filmar tudo com sua pequena câmera. Sendo responsável por diversas imagens do grupo nos bastidores e em momentos de descontração. Publica muitos de seus vídeos no seu site The Zen Garden, que é alimentado por sua irmã Debora Miller. As edições dos vídeos são feitas pelo próprio David.

Tem duas irmãs. Atualmente é casado com Sarah-Joy Kabanukem.

Carreira
-Na escola, ele teve participações em musicais, estrelando como Rooster em “Annie e Noah” e em Dois a Dois.


-Graduado pelo Conservatório Musical de Oberlim.

-Trabalhou para a companhia Top American Ópera em vários papéis, incluindo Des Grieux in Mano, como Romeu em “Romeu e Julieta”, Werther, Alfredo em “La Traviata” e Tarmino em “A Flauta Mágica” com o Pacific Opera.

– Em 1998, ele cantou juntamente com outros cantores de ópera, para o presidente Bill Clinton na Casa Branca

-Em 1999, ele se apresentou com a Ópera de Los Angeles no prestigioso Teatro Municipal de Santiago (Chile), cantando “Tybalt in Bellin’s” produção de “Capulets and Montagues” dentro da “Fiesta de Savonlinna”.

-Em 2000, terminou seu début, com boas críticas publicadas e muito sucesso, com a Ópera Australiana em “La Escala” em Milão, como o cantor Tony em ,”West Side story”.

-Miller fez sua estréia no Flamengo ópera como Cassio em 2001 e 2002. Além disso ele atuou como Daniel em “Oren´s Manon”. Nos E.U.A., ele participou em “Os Contos de Hoffman em Hartford, Connecticut. Ele também interpretou o papel de Percy no Donizetti Anne’s Bolene em Pittsburgh com John Mauceri durante 2000/2001.

-Durante a temporada 2002/2003, realizada na première mundial da Ópera de Marco Tuttino Vita em “La Scala”.

-Seu melhor trabalho até a data é considerado como sendo o seu papel como Rodolfo em Baz Luhrmann 2002 da versão de Puccini’s La Boheme.Este espectáculo teatral modernizou a ópera, em um esforço para atrair públicos jovens à Broadway.
La Boheme estreou em Sydney, na Austrália, mas David não foi incluído no elenco até que ele foi para Nova York.

-Outros papéis: Don Ottavio emMozart’s Don Giovanni, em Belmonte Rapto de Rapto em Seraglio e de Tom Rakewell em The Rake’s Progress.

Citação de David no Livro Biográfico:

Il Divo: Our Music, Our Journey, Our Words

“Desde o início, o Il Divo era – e ainda é – uma democracia. Não há um cantor-líder no grupo. Todos nós dividimos os solos e trabalhamos em harmonia uns com os outros – e isso é ótimo. Lembro de sempre me sentir deslocado na minha família quando estava crescendo, e o mesmo é  no Il Divo, especialmente no início. Eu estava definitivamente deslocadoquando chegou (à parte em que se deveria) ultrapassar as barreiras da língua (idioma). Como decidimos que o inglês seria nossa língua principal de comunicação (sorte minha), significava que qualquer coisa dita era interpretada (ou mal-interpretada) de 4 maneiras diferentes, (azar meu,já que era eu que tinha que consertar as coisas depois que os temperamentos se incendiavam com um erro de sintaxe). A maioria das nossas dificuldade eram de tradução, e uma vez que tivéssemos chegado à conclusão sobre qual o mal-entendido, geralmente descobríamos que na verdade estávamos falando da mesma coisa.”

Fontes: Fórum Oficial, Il Divo Brasil, wikipédia.